Suas contas e as contas da sua empresa – Como você administra essa relação?

Suas contas e as contas da sua empresa – Como você administra essa relação?

Quando o assunto é separar as contas pessoais das contas da sua empresa, tenha sempre em mente que essa medida é de grande relevância para garantir a saúde financeira do seu negócio. Para falar dessa relação é preciso entender o que pertence a você e o que é de fato reponsabilidade da empresa, do seu negócio. Algumas vezes, especialmente no início de um negócio, é comum colocar numa mesma “cesta” o dinheiro pessoal e o dinheiro do negócio com a justificativa de que é preciso desenvolver o negócio com todos os recursos disponíveis.

É preciso ter cuidado com essa mentalidade. Agindo assim desde o início, ficará mais difícil separar as contas depois e até mesmo identificar e avaliar se o negócio está indo bem ou mal. Sem essa informação bem clara, a gestão do negócio fica comprometida e algumas áreas como operação, planejamento e marketing ficam prejudicadas à medida em que ações importantes não são implementadas em virtude de uma distorção sobre as necessidades do negócio, especialmente as financeiras.

Pequenos empresários têm mais dificuldade de executar essa separação, mas é importante entender que você e seu negócio possuem personalidades e necessidades distintas. Suas despesas e suas contas não devem se confundir com as despesas e as contas da sua empresa. É fato comprovado que a desinformação sobre a real situação da empresa e a ausência de um controle financeiro influenciam negativamente na estabilidade de qualquer negócio.

Para começar, tenha controle do fluxo de caixa da empresa – os valores recebidos menos os valores pagos pela empresa. Conhecendo esses valores, fica mais clara a identificação dos recursos gerados com a operação do seu negócio, qual o valor disponível ao final de cada período e qual a capacidade da empresa de lhe remunerar pelo seu trabalho.

Como assim? Exatamente isso que você leu – você deve ser remunerado pelo seu trabalho.  Definir um valor para você, estabelecendo um salário fixo mensal (também chamado de pró-labore), cujo valor deve respeitar o tamanho da empresa e a capacidade de pagamento da mesma, buscando um equilíbrio com suas necessidades pessoais. No começo, pode acontecer de suas necessidades não serem totalmente atendidas pelo valor inicialmente fixado, mas com o tempo e com uma gestão profissional esse equilíbrio vai sendo alcançado.

Um dos maiores erros da gestão financeira de um negócio é utilizar o caixa da empresa para pagamento de contas pessoais. O dinheiro que entra no caixa da empresa não está disponível para o pagamento das contas pessoais dos sócios. Muito pelo contrário! O faturamento da empresa deve ter direcionamento inicial para o cumprimento das responsabilidades financeiras do negócio, inclusive o pagamento do pró-labore dos sócios.

Qual a maneira mais prática de implementar um controle separado das contas pessoais das contas da empresa? O melhor método é manter contas bancárias separadas e transferir para sua conta pessoal o valor do pró-labore definido. Pode ser que alguns empresários apresentem a justificativa de não querer pagar mais taxas por manter duas contas distintas em banco. Acontece que já existem no mercado algumas possibilidades de contas sem cobrança de taxas e, para seu controle pessoal, você pode adotar a utilização de uma conta poupança – livre de taxas.

Ainda assim, se você preferir não manter duas contas, manter controles distintos continua sendo importante, o que pode ser feito por planilhas e/ou anotações distintas para seu controle pessoal e para o controle da empresa.

Concluindo, estabeleça desde o início a separação de suas responsabilidades financeiras pessoais das contas e despesas de sua empresa. Dessa forma, é possível acompanhar a evolução e os resultados de seu negócio, promovendo avaliações e ajustes sempre que necessário.

Tenha em mente que é preciso seguir à risca os seguintes passos:

  1. Usar Contas / controles separados
  2. Definir um valor fixo de retirada para você como sócio da empresa
  3. Estabelecer uma data para realizar a sua retirada
  4. Não usar o caixa da empresa para realizar pagamentos pessoais

Quer conversar mais sobre o assunto?

Deixe seu comentário ou se preferir mande um e-mail direto para mjferes@sommosconsultoria.com.br

Juntos podemos encontrar o melhor caminho para você e sua empresa.

Até breve!

Maria José Fróes Feres

Economista, Especialista em finanças e Sócia da Sommos Consultoria Financeira

Colaboração: Verônica de Oliveira – Jornalista

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *